terça-feira, 24 de outubro de 2017
Sobre a escola
voltar à página inicial
Artistas de A a Z A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z #
Notícias
Agenda
Leia
  1. COLUNAS / ESPECIAIS
  2. Ensaio
  3. Música Digital
  4. História do Baixo
Fotos
Promoções
Serviços
  •  
  1. Divulgue seu show
  2. Classificados
 
*publicado em 16/12/2014 - 19h32
Bula: Não Estamos Sozinhos
Com altos e baixos, pode ser boa base para se distanciar do passado.
Eduardo Guimarães
Redação TDM
tamanho
da letra
A formação da banda Bula se deu de modo natural a partir de uma sucessão de acontecimentos tristes. A morte do vocalista Chorão levou ao fim do Charlie Brown Jr. Os músicos remanescentes Champignon (baixo), Bruno Graveto (bateria), Marcão Britto (guitarra) e Thiago Castanho (guitarra) montaram A Banca, com Champignon assumindo o microfone e com a adição da baixista Lena Papini.

Com a morte de Champignon, em setembro de 2013, os músicos d’A Banca deram um tempo nos projetos. Mas a vontade de tocar falou alto novamente e a amizade reuniu mais uma vez na mesma banda três integrantes que já tiveram seus caminhos cruzados: Lena Papini (baixo), André ‘Pinguim’ Ruas (bateria, ex-CBJ) e Marcão Britto (guitarra, voz). Estava formada a Bula.

O grupo assinou com a Deckdisc e lança agora em dezembro o primeiro disco, “Não Estamos Sozinhos”, com 13 faixas originais. No disco de estreia a Bula fica no meio termo entre dar continuidade ao som do CBJ e procurar seu próprio caminho.

É claro que algo da sonoridade do CBJ estaria presente, afinal Marcão foi o responsável por alguns dos riffs mais marcantes da banda. Mas o som da Bula é, em quase todas as faixas, menos ‘pula-pula’ - felizmente - do que eram as canções do CBJ. Ou seja, é um rock com influências pop, mas também hardcore, sem aqueles flertes com reggae e até rap que a antiga banda tinha. Algo mais ou menos na linha CPM 22, para o bem e para o mal.

A principal referência em relação à antiga banda é justamente o estilo vocal adotado por Marcão. E isso é o principal ponto fraco do disco. Se você ouvir as canções sem saber quem são os músicos, certamente virá à mente o CBJ, justamente pelas linhas vocais.

O repertório do disco começa com “Duas Caras”, uma música que presta homenagem ao antigo parceiro Champignon por trazer uma de suas últimas gravações no baixo. Bruno Graveto também participa desta gravação. E, não por acaso, a linha de baixo desse som é realmente muito boa e mostra o peso do instrumento principalmente no refrão.



“Doses Gigantes” traz novamente o estranhamento com o vocal. Dessa vez pelo uso de efeitos, o que faz ficarmos na dúvida se foi um erro pelo excesso ou se apenas era a intenção deixar esse som quase robotizado em alguns versos.

Apesar da letrinha boba, “O Sol Dela Brilhou” é uma faixa bem bacana do disco, principalmente pelo riff que, junto com a bateria, me fez pensar em um baião metalizado. Não que traga alguma influência explícita de ritmos nordestinos, mas as paradas repentinas dão essa impressão. O solo de Marcão é ponto de destaque da faixa.

“Ela Nasceu Pra Mim” é uma composição de Marcão, Chorão e Tiago Castanho que entrou no disco com a bateria de Bruno Graveto e mais uma vez com o baixo de Champignon. “Gostaria de fazer uma homenagem ao Chorão, uma pessoa especial na minha vida, e seria uma injustiça muito grande guardar isso só pra mim. Ele gostava muito dessa música e eu jamais deixaria isso arquivado”, comentou o próprio guitarrista sobre a canção.

“Dilemas” é um destaque positivo do repertório. A música é bem pesada, com uma pegada quase metal. A faixa que vem na sequência causa um certo espanto, afinal não é comum ouvirmos por aí alguém fazer uma música citando procedimentos contábeis, como é o caso de “Só na Contabilidade”: “Pega o bruto e faz o balanço e ainda fica com o líquido”.



Em “Voar Com Você” a baixista Lena Papini – que dá um show à parte em todo o disco – se destaca também com os vocais de apoio. Taí algo que a banda poderia ter explorado mais em outras canções. A música que dá nome ao disco também encerra o repertório oficial, “Não Estamos Sozinhos”, e deve ser a que mais vai agradar quem procurava o som da antiga banda do Marcão.

Vale destacar a ótima produção assinada pelo próprio Marcão em parceria com André Freitas, que deu espaço para todos os instrumentos, que soam claros e nítidos.

Que o passo adiante na sonoridade da Bula indicado neste disco, em relação ao Charlie Brown Jr., possa amadurecer em próximos trabalhos. Assim como as letras que ainda tratam de amores e amizades no mesmo estilo CBJ.
01. Duas Caras
02. Doses Gigantes
03. O Sol Dela Brilhou
04. Armas de Lado
05. O Preço de Ser Diferente
06. Ela Nasceu Pra Mim
07. Isqueiro
08. Dilemas
09. Só na Contabilidade
10. Em Algum Lugar
11. Voar Com Você
12. Bilhetes de Ida
13. Não Estamos Sozinhos
14. Tentando Acertar (Deluxe Edition)
15. Não Estamos Sozinhos (Versão Acústica)
Avaliação:
Selo: Deckdisc
Ano de lançamento: 2014
Artistas relacionados: Bula
Avalie este lançamento
 
100,00%
 
0%
 
0%
 
0%
 
0%
Selecione a sua avaliação
e clique em votar.
* 9 votos registrados
Relacionadas
Relatar erros
 
ENQUETE
Que tipo de conteúdo você busca num site de musica?
Noticias
Entrevistas
Reportagens longas
Resenhas de discos
Resenhas e fotos de shows
Colunas temáticas